"O Evangelho da Natureza"

Discorrer sobre os mistérios do Novo Evangelho, é trazer luz sobre pungentes questões que dizem respeito, de forma objetiva, acima de tudo à humanidade em seu próprio nível. É elucidar a natureza e as correlações de dois princípios terciárias, o Espírito Santo e a Criação, e é deitar as bases de um inédito humanismo espiritual. É aprofundar e universalizar, em definitivo, aos chamados Mistérios Marianos. Em termos práticos, é reconhecer na Natureza o fundo universal que possui, em termos físico, psicológico, mental e espiritual, além, de culturalmente, conferir à Ecologia a importância que merece, a partir da identificação de uma dimensão maior a ela relacionada, enquanto parte divina. É, enfim, ancorar no foro humano as maiores realizações possíveis, em temos de saúde, amor, ciência e sabedoria. O Evangelho da Natureza é a grande chave revelada para o resgate da magia e para o reencantamento da Terra.

APRESENTAÇÃO ...... HOME ......INICIAL......EDITORA.......VIDEOS.......GRUPOS

sábado, 25 de agosto de 2012

Virtudes do Jejum*


O jejum é, inicialmente, um excelente fator depurativo e regenerativo do corpo físico. É muito ilustrativo o caso da pessoa desengada que pensava em suicidar-se através do jejum, ocorrendo no entanto de curar-se de sua enfermidade com tal expediente.

O jejum favorece a força mental, e sobretudo a espiritual. E nisto, pode apresentar também múltiplos poderes curativos, inclusive de ordem sutil.

O jejum desencadeia recursos pouco conhecidos e valorizados que contribuem fortemente para a autonomia humana.

Pois a verdade é que o corpo possui recursos pouco conhecidos do homem moderno, cujos valores interferem na sua capacidade de percepção dos fatos. Devemos aqui ater-nos às secreções e excreções humanas.

As secreções, emanadas por glândulas, tem funções como o de estimular órgãos e o metabolismo. Muita delas são desconhecidas ou estão adormecidas. As secreções externas também são depurativas. O suor também serve para expelir toxinas (especialmente através do processo febril), assim como o cabelo.

Já as excreções (urina e fezes), à parte expelirem toxinas, são em boa parte reservas de nutrientes que estão sendo expelidas por não fazerem falta, pelo simples fato de estarem sendo continuamente substituídas através de uma alimentação mais ou menos enriquecida ou substancial.

Mas mesmo as secreções possuem função análoga. O suor e a urina expelem água e sais. Os intestinos expelem fibras. A pele expele gordura e água. Os cabelos são uma reserva especial de proteínas. A atividade sexual expele calor e sêmen. A menstruação expele sangue. Os mucos expelem matérias graxas e líquidos.

Todos estes representam recursos excedentes que poderiam ser empregadas e reconvertidas como matérias-primas em caso de necessidade. Mas o corpo apenas os emprega, através do processo chamado de autofagia, no momento em que o ser humano deixa de absorver nurtrientes externos.

Ao lado destes processos de depuração física, o jejum representa um importante elemento de saneamento psíquico. E ele pode ensinar sobre novas possibilidades, como a de manter-nos de forma mais ou menos prolongada sem alimentos físicos e sobretudo sólidos.

Certas correntes espirituais prescrevem como as principais atitudes espirituais o jejum e a oração. Ambos devem estar unidos porque se complementam de uma forma excelente. A oração canaliza a energia e preenche o vazio provocado pelo jejum. E o jejum dá forças à oração. No contexto do trabalho com a energia, devemos avaliar a palavra oração como or-ação, ou "luz-em-movimento".

Existem vínculos fisiológicos com recursos de aquecimento corporal em relação ao jejum. O tema, juntamente às questões do jejum e do alimento sintético, é desenvolvido em nossa obra Os Frutos do Paraíso.

"Celibato Alimentar"

É óbvio que o processo de alimentação tem o seu custo -para o organismo humano, neste caso, ou até para questões mais sutis. Quando nos alimentamos fisicamente estamos na realidade realizando um investimento. A energia empregada para assimilar um alimento não é pouca. Assim, um dos fatos a ter em mente é que o jejum economiza energias, que poderão ser direcionadas para outras áreas, incluindo processos novos. E isto se aplica a outras formas de atividades naturais incluídas naquilo que se pode denominar como necessidades instintivas.

Dentro do quadro dos intintos, devemos destacar alimentação e sexo (deixemos de lado por ora o fator mental e seu instinto de auto-afirmação). Nisto, podemos considerar que, se a comida é o alimento físico, o sexo seja o alimento emocional. Tanto o alimento alimento como o sexo são processos com ônus e bônus: de um lado alimentam, e de outro lado desgastam. O alimento produz base calorífica, vitamínica, etc, mas requer grande energia para ser processado. É claro que nem todo o alimento é pesado -da carne ao mel, ou da gordura saturada à água, existe toda uma hierarquia de custos para o organismo assimilar-; vamos tratar aqui portanto de alimentos mais difíceis e artificiais, ou mesmo assimilados sob más condições. Sabidamente o sexo, nosso grande estímulo emocional, também é por sua vez fisicamente desgastante, e fazê-lo todos os dias pode ser estressante para a média das pessoas. No caminho espiritual, o jejum sexual também tem em vista a economia energética. Para ter uma clara idéia da relação alimento-energia, basta observar justamente como a prática corrente do sexo dá fome e frio; a atividade sexual gera uma profunda necessidade de alimentação física, pois dispende muitas calorias.

Por sua vez, é também muito mais difícil manter o celibato se mantemos uma alimentação mais ou menos densa ou pesada. Observa-se que a digestão, ao concentrar energias no estômago e nos intestinos, estimula também todos os centros inferiores. Ingerir alimento além do necessário e ainda de má qualidade e de forma irregular, pode tornar incontrolável o desejo sexual. O jejum, por sua vez, naturalmente inibe toda a excitação.

De fato, o grande emissão de energia da atividade sexual deve ser necessariamente compensada pela alimentação física. Esta, por sua vez, a depender do volume, do ritmo e da qualidade, pode apresentar um excesso de atividade energética nos centros inferiores, que também procura por sua vez a sua evasão através da atividade sexual. Neste ciclo interminável podemos encontrar uma das mais fortes imagens do samsara, a roda dos ciclos de existência material.

O problema é que muitos místicos buscam compensar suas ansiedades sexuais enchendo demais o estômago. Neste caso, deveriam pelo menos alimentar-se de forma regrada e com um mínimo de ansiedade, além de fazer disciplinas físicas, psíquicas e mentais regularmente, como forma de refinar e elevar a energia.

Outra solução seria ingerir alimentos de boa qualidade e não muito pesados, como sopas e frutas. Volume e densidade se compensam como uma gangorra na natureza, de modo que a alimentação volumosa dos herbívoros é pouco densa, ao passo que a alimentação densa (ou concentrada) dos carnívoros é pouco volumosa. É preciso fazer uma opção; o ser humano é "onívoro" e todas as possibilidades se abrem diante dele. Mas reunir ambos os fatores como tantas vezes se faz hoje em dia, é a própria fórmula do suicídio. Quando desejamos seriamente concentrar energias para a evolução espiritual, é muito difícil encontrar soluções fora da vida comunitária (como nos mosteiros), ou mesmo sem uma existência errante e totalmente despojada.

É o jejum, precisamente, ou a dieta racional e rala, representa um poderoso equilibrante. Deve-se ter em mente que a alimentação leve representa um fator de equilíbrio e portanto o índice de "normalidade" desejável.

Assim, ambos os processos, digestivo e sexual, estão interligados, pois pertencem ao complexo biológico-instintivo dos centros inferiores, os quais formam uma unidade funcional. No entanto, existem formas mais sutis de fazer estas coisas sem tanto desperdício de energia, mas para alcançar isto é preciso harmonizar nossos corpos e elevar nossa consciência.

A atividade sexual pode ser realizada, em termos, sem o enorme desperdício de energia produzida pela emissãode sêmen. Este procedimento é particularmente importante para o homem. Cálculos modernos afirmam que nele a energia emitida no orgasmo é nove vezes mais forte que na mulher. Por esta razão os manuais taoístas de sexo prescrevem para o homem a contenção do sêmem. Isto não significa privar-se de todo do orgasmo, mas para separar o joio do trigo é preciso muita prática e controle. Idealmente, é importante um(a) parceiro(a) especial, que auxilie o discernimento e a fusão energética, e mais ainda, a orientação exata de um instutor.

Mais simples e básico seria começar com o alimento físico. Neste caso, também em relação a ele deveríamos buscar economizar maiormente as energias, evitando consumo desnecessário e irregular. Devemos começar a disciplinar a alimentação, comendo de forma regular, selecionada e natural. Evitemos temperos e temperaturas não-naturais. Busquemos alimentos leves, que podem ser naturalmente saborosos, como as frutas. E evitemos cozimentos.

Com isto estaremos fortalecendo a vontade sem debilitar o corpo -–e este é um ponto muito importante, porque a vontade é um dos fatores que possibilita a recanalização das energias.

Queremos pois vender a idéia de que o pranivorismo é uma espécie de celibato alimentar. O pranivorismo significa que o homem está abrindo mão de certos ciclos, sendo na verdade um passo além do celibato, ao avançar sobre um instinto ainda mais básico, mas seguindo a mesma lógica de economia e ética. Representa de certo modo a etapa final de um caminho de retorno, o retorno sofrido mas vigoroso ao planeta que realizam os altos iniciados a fim de servir de forma perfeita, o que exigirá também a elevação de pensamentos e sentimentos, permitindo um realinhamento geral de energias em torno desta base última que é o plano físico.

E ao lado da economia de energias com a digestão, o pranivorismo possibilita a preservação de todo o aparelho digestivo, a iniciar pelos dentes, cujos cuidados passarão a ser mínimos, apresentando em contraparte maior capacidade de recuperação.

O Genesis é taxativo quanto ao fato de o ser humano apenas ter passado a morrer após o Pecado. Enquanto a sua consciência estava firmemente ancorada na Lei espiritual, ele gozava de uma plenitude completa, desconhecendo inclusive a suprema angústia que é a da degeneração e mortalidade do corpo e da alma. O Paraíso existiu enquanto o homem não destruía a Terra e a si próprio, seja por alimentar-se de frutos, seja por empregar diretamente o prana.

Cada Idade tem o seu nutriente, e esta seria uma explicação para a longevidade dos Patriarcas, que mesmo após o Pecado viviam ainda quase um milênio, naquela que foi a Idade de Prata. Somente depois do Dilúvio é que o homem passou a viver no máximo120 anos, na Idade de Bronze. Já no ocaso da Idade de ferro, ele mal alcançava a média de 50 anos. Este quadro começa hoje a se reverter em certas partes do mundo, pois estamos entrando em um ciclo de retorno à Unidade.

O Dharma Lunar dos Budas Manushi (humanos) como Gautama, permitem que o homem contemple a imortalidade da alma. Mas os Dharma solares dos Budas Dhyani (Contemplativos) como Maitreya, alcançam um grau de totalidade que integra a todas as coisas, liberando também a matéria para comungar com a luz e a eternidade.

Não existe necessidade de sentir "vazio" pelo fato de não se alimentar fisicamente. Temos muitos sentidos e podemos perfeitamente empregar novas fontes de estímulos. O que poderá ser necessário, isto, sim, é providenciar os meios, seja plantando fartos pomares, seja semeando amplos jardins, posto que, como afirmou um Mestre Ascenso, 90% do prana da Terra está acumulado nas flores. Assim, à parte o elevado teor de gratificação à nossa sensibilidade que oferecem as flores, elas ainda nos proporcionam alimento sutil!

Quem disse que o prana também não tem os seus sabores e aromas, ou a variedade e a beleza que, enfim, tanto atrai o ser humano e dá sentido à sua existência? Tudo pode ser refinado nesta Terra. Da mesma forma como as frutas oferecem todo um arco-íris de cores, aromas e sabores, o prana, especialmente na forma dos perfumes das flores, também apresenta suas variantes, riquezas e densidades. "As flores são botões celestiais", são portas de ingresso para mundos paradisíacos, tal como pode ser a música para outro de nossos sentidos.

De resto, podemos também alimentar-nos de beleza –particularmente relacionada às flores, uma vez mais–, contemplando o espetáculo da vida sem participar ativamente de seu drama a não ser para auxiliar. O universo é repleto de mistérios e de belezas. Um dia seremos seres cósmicos livres para transitar através dos mundos no espaço sem fim. Porque não iniciar esta aprendizagem aqui e agora, elevando a nossa consciência e refinando os nossos sentidos?

O sistema digestivo não será necessariamente inutilizado ou desprezado, pois não deixaremos de nos alimentar de todo fisicamente. Enquanto estivermos encarnados, apenas vamos reduzir paulatinamente a ingestão de alimentos e refinar a sua qualidade, visando economizar energia e contatar com fontes superiores. Mesmo os pranivoristas ingerem água regularmente.

Quem sabe o homem não poderá um dia degustar de um fruto por um prazer quase... estético? Isto é, sem real necessidade de alimentar-se dele, mais pelo deleite que possa representar a sua unidade. Afinal, estes produtos da Natureza merecem o mais alto respeito, pois na sua excelência são belos, bons e perfumados, representando um prazer para todos os sentidos, mesmo quando altamente refinados.

Eis portanto a nossa segunda grande premissa:

2. Toda a forma de alimentação é cíclica. Ou seja, toda a nutrição, além de ser feita com regularidade, envolve necessariamente os processos de absorção e eliminação. Isto é bem conhecido com os alimentos sólidos, líquidos e gasosos. Mas o mesmo também acontece com as energias prânicas, através das emanações nervosas, que podem ser de diferentes qualidades e ainda afetam os corpos de forma bem definida. Neste plano deveríamos falar da "qualidade da aura" e das emanações mais ou menos sutis que todo o ser humano produz.

Apenas quando encaramos seriamente a nutrição prânica, com qualidade e quantidade apreciáveis, num circuito prânico equilibrado e saudável, com osnadis (nervos sutis) abertos e integrados, é que podemos pensar em abandonar os ciclos mais densos e desagradáveis da existência, buscando com isto eliminar os desgastes naturais em todo o mecanismo.

Talvez os piores odores da Terra sejam os dos excrementos e o da carne apodrecida. Quando o homem começa a sua evolução espiritual ele também deve refinar a alimentação. Isto prontamente o afasta de odores menos agradáveis, até porque recupera a sua sensibilidade natural e até desperta sentidos superiores. Com o tempo poderá desejar reduzir ou eliminar todo o ciclo material de nutrientes. É bem possível que um Ser superior tenha mesmo ojeriza de qualquer possibilidade de excressão. Mas para que isto seja possível é necessário também deixar de se alimentar de forma densa, e a menos que se deseje pensar em usar o corpo físico (juntamente com os corpos emocional, mental e a aura) como uma espécie de "processador atômico", a lógica seria extrair diretamente a energia do éter e das fontes luminosas.

Dizem os cronistas que o Conde de Saint Germain jamais se alimentava; ainda assim ele frequentava as cortes européias e as rodas da alta sociedade da época. Jesus jejuou 40 dias, e o valor 40 (ou 42) estaria associado ao processo de Ascensão (através de 6 x 7). A santa estigmatizada Teresa Newman e a indiana Giri Bala deram exemplos disto neste século.

Existem informações na literatura mística sobre iniciados que não morreram, mas foram diretamente para uma outra dimensão, abrindo um portal transdimensional à sua vontade para retornar ou não a este mundo (ver a obra de Carlos Castañeda). A chave disto é a reprogramação mental, ou o descondicionamento de nossa leitura de mundo. E este é um dos mais importantes recursos da Ascensão.

Consta que hoje muitas pessoas do mundo ocidental estão realizando experimentos nesta área. A obra Viver de Luz, da australiana Jasmuheen, traz certas informações a este respeito, com o testemunho de indivíduos que tem passados por processos desta natureza e tem permanecido praticamente sem se alimentar por anos a fio, assim como procedimentos que podem ser adotados para alcançar esta experiência que seria, sem dúvidas, uma das bases da Ascensão da consciência, posto ser o instinto alimentar o mais básico e arraigado de todos.

* Da obra Nutrição Etérica, LAWS

Nenhum comentário:

Postar um comentário